Participação política: indispensável ou superada?

A idéia do “tanto faz”

Demagoga, enganosa e caótica. A política mundial é associada a esses e outros termos. Mas encontrar pessoas que estão dispostas a se levantar para tentar ou conseguir mudar isso, é raro. Ao contrário de que muitos pensam, o comodismo mundial em relação a isso não é de hoje.

A democracia, desde seu nascimento na Grécia, não passa de um golpe, um jeito de governar os outros. 

Pegarei nosso pais como exemplo: passamos 2 décadas sob a ditadura militar, e quando ela (a democracia) veio, beneficiou apenas 1/5 da população de 140 milhões de habitantes. E esses 20% ainda mantém o poder dado a quase 30 anos, em suas mãos. E o mais difícil de se acreditar é que ele é dado pelas mesmas pessoas que dizem que a política é uma coisa sem perspectiva de melhorias e que devemos desistir dela. Aliás, tanto faz tanto fez não é?

A participação política é ligada a idéia de que só é preciso votar em algum colarinho branco que tem todos os dentes brancos e é bom pai de família, e que seu trabalho como cidadão está mais do que feito durante 4 anos.

Tivemos ano passado a “Primavera Árabe” e o “Ocupe Wall Street” que são grandes exemplos - pode parecer clichê - de que a voz do povo tem importância sim!. São protestos e manifestações que tiveram início com a ajuda das redes sociais. O que tem que ser mudado é a maneira de que a política é tratada.